Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


As mãos que educam

Sexta-feira, 17.01.20

   Um jovem de nível acadêmico excelente, candidatou-se à posição de gerente de uma grande empresa.Passou a primeira entrevista e o diretor fez a última, tomando a última decisão. O diretor descobriu, através do currículo, que as suas realizações acadêmicas eram excelentes em todo o percurso, desde o secundário até à pesquisa da pós-graduação e não havia um ano em que não tivesse pontuado com nota máxima.

 O diretor perguntou: _ "Tiveste alguma bolsa na escola?"   

_  Nenhuma, disse o jovem

- "Foi seu pai quem pagou as suas mensalidades ?" pergunta o diretor
O jovem respondeu _  "O meu pai faleceu quando eu tinha apenas um ano, foi a minha mãe quem pagou as minhas mensalidades."
O diretor perguntou -  Onde trabalha a sua mãe?
- A minha mãe lava roupa  - disse o jovem; 
 
O diretor pediu que o jovem lhe mostrasse as suas mãos. O jovem mostrou um par de mãos macias e perfeitas.
 
O diretor perguntou: _ Alguma vez ajudou sua mãe lavar as roupas? 
o jovem respondeu: _  Nunca, a minha mãe sempre quis que eu estudasse e lesse mais livros. Além disso, a minha mãe lava a roupa mais depressa do que eu.
 
O diretor disse: _ Eu tenho um pedido. Hoje, quando voltar, vá e limpe as mãos da sua mãe, em seguida, volte aqui manhã.
 
       O jovem sentiu que a hipótese de obter o emprego era alta. Quando chegou em casa, pediu, feliz, à mãe que o deixasse limpar as suas mãos. A mãe achou estranho, estava feliz, mas com um misto de sentimentos e mostrou as suas mãos ao filho.O jovem limpou lentamente as mãos da mãe. Uma lágrima escorreu-lhe enquanto o fazia. Era a primeira vez que reparava que as mãos da mãe estavam muito enrugadas e havia demasiadas contusões nas suas mãos. Algumas eram tão dolorosas que a mãe se queixava quando limpava com água.
       Esta era a primeira vez que o jovem percebia que este par de mãos que lavavam roupa todo o dia tinham-lhe pago as mensalidades. As contusões nas mãos da mãe eram o preço a pagar pela sua graduação, excelência acadêmica e o seu futuro.
Após acabar de limpar as mãos da mãe, o jovem silenciosamente lavou as restantes roupas pela sua mãe.Nessa noite, mãe e filho falaram por um longo tempo.Na manhã seguinte, o jovem foi ao gabinete do diretor.
 O diretor percebeu as lágrimas nos olhos do jovem e perguntou:
_ Então, o que você fez e o que aprendeu ontem em sua casa?
O jovem respondeu: _  "Eu limpei as mãos da minha mãe e ainda acabei de lavar as roupas que sobraram.
 O diretor pediu: _  Por favor, diga- me o que sentiu?
 O jovem disse: _ Primeiro, agora sei o que é dar valor. Sem a minha mãe, não haveria um eu com sucesso hoje. Segundo, ao trabalhar e ajudar a minha mãe, só agora percebi a dificuldade e dureza que é ter algo pronto. Em terceiro, agora aprecio a importância e valor de uma relação familiar.
 
O diretor disse: _Isto é o que eu procuro para um gerente. Eu quero recrutar alguém que saiba apreciar a ajuda dos outros, uma pessoa que conheça o sofrimento dos outros para terem as coisas feitas e uma pessoa que não coloque o dinheiro como o seu único objetivo na vida, nem sempre o dinheiro deve está em primeiro lugar, e certamente não é a única coisa no mundo. Está contratado.
 
Mais tarde, este jovem trabalhou arduamente e recebeu o respeito dos seus subordinados. Todos os empregados trabalhavam diligentemente e como equipa. O desempenho da empresa melhorou tremendamente. 
 
Quais são as pessoas que ficaram com mãos enrugadas por mim?
 
Fonte: A Loja de Chá de Aracaju

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria Oliveira às 10:45

"Bora" Motivar a criançada

Segunda-feira, 21.05.18

    Já sou mãe há 15 anos e uma das coisas que me "pesa" é sentir que poderia ter ajudado mais as minhas filhas na infância para que hoje se sentissem mais confiantes e seguras de si; Dei conta disso  e tenho me esforçado para que se tornem umas jovens e adultas firmes na sua caminhada; estou a tentar recuperar o tempo .... ; Preocupa-me o facto de elas se entusiasmarem de inicio com alguma atividade extra escolar como  a música e a dança e depois desistirem; Porque não se motivam como os outros colegas em desenvolver outras capacidades?

Serei eu que estou a falhar em alguma coisa? 

Gosto muito de ler os artigos de Javier Fiz Pérez (Psicólogo, professor de Psicologia na Universidade Europeia de Roma, delegado para o Desenvolvimento Científico Internacional e responsável pela Área de Desenvolvimento Científico do Instituto Europeu de Psicologia Positiva )   e já me tem ajudado a compreender comportamentos e emoções e a saber gerir situações que vão surgindo; Por isso hoje partilho mais um artigo deste autor, sobre como motivar os nossos filhos; Segundo ele, a  motivação é fundamental para realizar qualquer atividade com interesse e entusiasmo e para os pais, essa é uma verdade importante quando se trata de educar os nossos  filhos – motivá-los é fundamental para o processo de aprendizado.Se as crianças se sentirem motivadas, estarão mais dispostas a aprender, a se envolver e a se esforçar para alcançar uma meta específica.

É muito importante trabalhar com a motivação dos filhos, começando em casa, para que eles consigam atingir os objetivos que estabeleceram para si mesmos, agora e no futuro, desde as tarefas diárias mais simples até desafios muito maiores.

E como motivá-los então ?

1 - Estimule a imaginação
Como pai ou mãe, você é responsável por ajudar seus filhos a crescerem com a sensação de que, com esforço, entusiasmo e interesse, eles podem obter o que desejam. Uma boa maneira de começar a motivá-los é contar histórias, começando na primeira infância. Esta é uma ferramenta muito útil para motivá-los e fazê-los se sentir entusiasmados em fazer as coisas. As histórias podem ter uma forte influência no comportamento das crianças, se você as usar para apresentar modelos positivos de como viver

 

2 - Ensine-os a se identificar com você
Conte-lhes sobre as experiências que você teve quando era jovem, porque não há nada melhor do que experiências pessoais para fazer seus filhos ouvirem e se identificarem com você.
Você vai ganhar a empatia deles e ajudá-los a entender que você foi uma criança também, e que você sabe como é. É muito importante ter uma atitude positiva, feliz e entusiástica; seus filhos devem ver e sentir que a vida deve ser desfrutada e vivida de maneira feliz.
Uma boa atitude em relação à vida pode tornar muitos sonhos realidade. Esta é a melhor base para uma motivação saudáve
 
3. Valorize o esforço deles
 Preste atenção ao que eles fazem para que você possa demonstrar que aprecia seus esforços, mesmo que eles não obtenham os resultados desejados. Você precisa reconhecer e reforçar o comportamento positivo da criança, para que ela continue lutando até atingir seu objetivo.
Se eles perceberem que você os apoia, os ama e os parabeniza, eles se sentirão fortes e motivados para continuar em frente e melhorar. É muito importante que você explique claramente as razões para fazer as coisas. 
Lembre-se de que seus filhos são pessoas e que o processo de aprendizagem deles depende, em parte, de seu esforço. Quanto melhor você explicar as razões para fazer as coisas, melhor eles entenderão, e mais intensamente eles se sentirão motivados a fazê-las.
 
4 - Dê a eles tarefas realizáveis
Ao lidar com tarefas complicadas, é uma boa ideia definir objetivos de curto prazo que sejam simples e viáveis ​​para que seus filhos não fiquem entediados no meio do processo.
Para que seus filhos se sintam motivados, é importante que eles entendam que um erro não é um fracasso, mas sim uma oportunidade de melhorar e combater a adversidade.
Eles precisam entender que a vida é um processo contínuo de aprendizado e que não há necessidade de temer cometer erros. O importante é nunca deixar de fazer um esforço para atingir seus objetivos. Este princípio é essencial se quisermos plantar sementes de autoconfiança em nossos filhos.
 
5 - Envolva-os adequadamente na tomada de decisão
Se os filhos se sentem ativos em uma tomada de decisão, percebendo que sua opinião é importante, eles vão gostar de se envolver. Se você quer que seu filho se envolva em algo de que ele não gosta, você precisa ajudá-lo a entender o porquê e explicar-lhe as razões, dando-lhe tempo suficiente para assimilá-las.
 
A melhor maneira de ensinar nossos filhos a viver é dando-lhes um bom exemplo. As crianças assistem a seus pais de perto. O que dizemos a elas conta muito, mas o que transmitimos a elas através do nosso comportamento significa dez vezes mais
 
Javier Fiz Pérez

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria Oliveira às 07:40

Para de tentar ser uma mãe perfeita - PARTE II

Segunda-feira, 07.05.18

Olá pessoal;  Hoje partilho a continuação do post da semana passada sobre sermos mamãs perfeitas; Envio mais umas ideias para nos ajudar a nós enquanto mães e que influenciam positivamente na educação dos nossos meninos; 

5. Escuta as crianças. Mas escuta mesmo. Nós temos a tendência a acreditar que sabemos mais que nossos filhos - o que é verdade muitas vezes. Mas acabamos ignorando-os,  para agir como se a solução de todos os problemas estivesse em nossos conselhos. Há alguns meses, minha filha de 8 anos me contou que estava tendo problemas com uns colegas da escola. Imediatamente eu comecei a despejar conselhos nela. Ela ficou decepcionada. Na verdade não queria conselhos, queria apenas poder falar e ser ouvida.

6. Seja a mãe dos seus filhos, não a "amiguinha". Imponha limites. Nossos pais e avós não tinham nenhum problema em impor limites. Pais eram pais. Filhos eram filhos. E os pais deviam ser obedecidos. Hoje em dia, famílias são democracias. Negociamos, convencemos o outro do contrário, e escutamos a opinião de todo mundo. E apesar de isso fazer dos pais, uns tipos porreiros, , as crianças precisam que nós continuemos exercendo nossos papéis de pai e mãe e que imponhamos limites quando necessário.  Nós devemos escutá-los e respeitar suas opiniões mas nós não somos pares, não somos seus "buddies". Quando eu era criança e brigava com a minha mãe, eu sempre a ameaçava com um: "Então eu não serei mais sua amiga!" . Ela respondia com toda a calma do mundo: "Tudo bem, porque você não é minha amiga. Você é minha filha." Eu ficava louca com a minha mãe, mas ela tinha razão.

7. Prega a simplicidade. Fazes um grande favor aos teus filhos se os ensinas desde pequenos, que a felicidade não tem nada a ver com o o acumular de coisas materiais. Quanto mais novos eles são, mais propensos estão a escutar, então começa o quanto antes. .

8. Não pressiones demais as crianças.  Queremos que nossos filhos sejam bem sucedidos.Que eles atinjam o potencial máximo deles e tenham segurança financeira no futuro. Mas sem stress , sem exigências ou cobranças impensáveis;

9.  Ajuda -os a desenvolver autoestima. Autoestima é uma das coisas mais bacanas que podemos deixar de legado para nossos filhos. Uma pessoa com uma autoestima bem elaborada não vai entrar e/ou ficar num relacionamento falhado;  Alguém que se ama provavelmente terá mais chances de ser feliz e atingir seu potencial. E como podemos ajudá-los a virarem seres autoconfiantes? Antes de mais nada mostrando a eles que nós os valorizamos: passando tempo com eles, conversando e escutando o que eles têm a dizer.

10. Ensina -os a serem independentes. O que é por vezes se torna bem dificil,  porque como mães, estamos sempre tentadas a ajudar as crianças. Mas se sempre fizermos tudo por eles, estamos impedindo que eles aprendam a fazer coisas sozinhos. E para cada idade e nível de desenvolvimento existem coisas que podem ser feitas por eles mesmos. Deixa as crianças livres para fazerem o que elas sabem fazer e o que é apropriado para suas idades.

11. Diverte te .  Sendo mãe é tão fácil ser absorvida pelo quotidiano e por toda a logística que temos que coordenar para as coisas funcionarem, que nos esquecemos de relaxar e divertir. Ter crianças é uma oportunidade de ser criança outra vez,  de fazer e ver coisas que  nunca achavas que ias fazer de novo, de encarar o mundo com inocência e curiosidade. 

 

Beijinho e boa semana; 

 

Esse texto é uma tradução livre de um trecho do post "How to be a great mother - 12 awesome tips" do blog zen habits. O texto original em inglês é de Vered DeLeeuw. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por Maria Oliveira às 07:58